[FANFICTION] "Floresta Vermelha" - Parte 1: A Trilha

   Olá,Doonatics! Venho aqui pra trazer a minha primeira fanfic (história fictícia criada por fã). Escrevi ela em conjunto com a Ester. Espero que Gostem! Se passa depois do filme "Stage Fright" e será dividida em 3 partes.Em vários lugares vai mudando quem conta a história,então sempre que tiver "POV - " leiam como se fosse o personagem contando.

 SINOPSE: Inesperadamente a Mistério S/A se depara com um mistério que os testará de uma forma nunca antes vivida por eles. Armadilhas não bastam para conter a fúria que habita as sombras de uma floresta,e quando sombras do passado também se erguem,será que as Crianças Intrometidas serão capazes de vencê-las?


  POV (ponto de vista) FRED:

  Depois da nossa participação no programa “Estrela Talentosa” e de desmascarar os Fantasmas da Ópera,nada melhor que voltar a nossa cidade,Vila Legal,descansar um pouco e curtir com os familiares. A noite chega e ainda não chegamos ao nosso destino.Já perto da cidade,o furgão para misteriosamente.Eu desço para checar o que está havendo com a Máquina Mistério,então abro o capô e dou uma olhada no motor.Sem dúvida nenhuma tinha sido sabotado,mas resolvi  não assustar a turma.
  - É turma parece que vamos ter que ir andando,até o posto mais próximo e pedir ajuda – eu digo,tentando demonstrar confiança.
  - Será que vamos ter que andar muito? – diz Salsicha,passando sua mão sobre a barriga. – Já estou ficando com fome.
  - Não se preocupe,Salsicha.Trouxe alguns biscoitos Scooby na minha bolsa,vocês podem comer mais tarde – Daphne tentou motivar Salsicha.
  - Respondendo sua pergunta,Salsicha,faltam aproximadamente 7 quilomêtros para chegarmos na cidade.
  - Assim não dá,Velma,isso é desmotivador! – Salsicha enquanto Scooby o apoia.
 - Vamos rapazes sem enrolação,temos que chegar lá o mais rápido possível,então devemos começar a caminhada agora – eu digo a todos.
  Lá vamos nós,naquela longa estrada,silenciosa,com pernilongos nos enchendo saco.Tudo culpa daquela floresta imensa ao Oeste da estrada. Logo,o silêncio é cortado por um grito vindo de lá,do coração da floresta. Sem pensar muito,pegamos a primeira trilha e resolvemos investigar. Salsicha e Scooby como sempre hesitaram,com seus papos de como nós sempre nos envolvemos num mistério. Bem,ele tinha razão.
  - Daphne,já tá na hora dos biscoitinhos? – disse Scooby.
 - É verdade,Daphne – Salsicha diz e então olha para trás – Daphne?! Cadê você? Ela sumiu!
 - Não precisamos ficar nervosos! Se ela apenas se perdeu,não deve estar longe.Vamos voltar – digo com a voz calma,o que na verdade não era o que estava sentindo.
 - Velma,você trouxe o seu celular? Talvez pudesse tentar ligar pra ela – Salsicha diz.
  E então,Velma tenta ligar pra Daphne que,com certeza,estava com seu celular. Mas simplesmente nada acontece,ninguém atendia.E então continuamos com o plano de voltar a estrada.Não tinha percebido o quanto andamos,parecia não acabar nunca. Aí,ouvimos uma música do nada,era o celular de Velma tocando. Ela atende,peço pra ela colocar no viva-voz.
  - Alô,Daphne? – Velma diz – onde você está?
  - Olá,Mistério S/A,parece que tenho uma coisa que vocês querem,ou melhor alguém – disse uma voz desconhecida e modificada com um tom sarcástico.
 Podiamos ouvir os sons de Daphne ao fundo.E a ligação é encerrada.
  - Mas como? É tudo culpa minha,devia ter cuidado mais dela...e agora? O que  vamos fazer? – eu digo,nervoso e me sentindo culpado.
 - Fred,se acalme!Ninguém mexe com nossa amiga e sai impune desse jeito,vamos achá-la. Scooby veja se consegue farejar e descobrir aonde ela está.
  Pelo visto,Scooby acha um rastro e o segue,nós o acompanhamos. Velma parece confusa,tão quieta,deve estar pensando em alguma coisa importante.
 - Turma,alguém queria nós aqui,foi tudo planejado! – ela corta seu silêncio.
 - Velma,tem razão,alguém nos atraiu com aqueles gritos. – eu completo.
 - Gritos de quem? – diz Salsicha,começando a tremular sua voz.          
- F-F-Fantasmas? CRUZES!
- Nem pense nisso,Scooby,meu filho! – Salsicha responde.
  Um som estrondoso surgi do nada e ficamos assustados.Era só o estômago dos rapazes roncando,estavam sem comer faz horas.
 - Olhem,tem algumas amoras ali – digo e aponto pra uma amoreira. – Podem pegar,mas sejam rápidos.
  E eles vão famintos até la.
 - Rapazes,o que é isso nessa árvore?
 - Ora,Velma,são amoras! O que mais seria? – responde Salsicha,com a boca roxa,cor de amora.
 - Não,digo mais abaixo – ela aponta pro tronco da amoreira.
  Eram marcas de garras,um tamanho sobrenatural. Nenhum animal normal teria garras tão imensas. Então,Velma se agacha e apanha uma coisa do chão.Era o celular da Daph. Ela tinha sido atacada bem ali.
  - Vamos então! Não consigo parar de pensar nela – eu digo determinado. - Vamos achar esse monstro turma!
  - Fred,não vamos,não!
  - Salsicha,vira essa boca pra lá. Seja otimista – eu respondo

  - Ele nos achou primeiro – diz Scooby,apavorado.  – CORRE!

 Quando vimos o monstro,a única coisa que podíamos fazer era correr,e foi  o que fizemos. Corremos,corremos muito, aquele monstro tinha habilidades sobrenaturais,corria demais e tinha um super pulo. Por instantes pensei que não conseguiríamos escapar,aquela floresta era muito escura,não era possível enxergar praticamente nada,apenas os olhos vermelhos  e sombrios daquela criatura,que eu já tinha quase certeza que era um lobisomen,ou algo ainda mais sanguinário.
  Depois de tanto percorrer aquela floresta que não acabava mais,enfim conseguimos abrigo numa caverna perto de um lago. Ficamos lá até o amanhecer,Salsicha e Scooby cochilaram um pouco,e era o que eu e Velma deveríamos fazer também,pois tinhamos que estar descansados e dispostos pra procurar Daphne logo de manhã.Mas eu simplesmente não conseguia dormir,só conseguia imaginar como ela estaria naquele momento,Velma não fez diferente,ficou no canto sem falar nenhuma sequer palavra,com um olhar triste e solitário.Por mais que devesse,não interferi,talvez ela estivesse sentido mais falta da Daph que eu,afinal,Daph era a única amiga que Velma conseguia conversar abertamente,sem segredos.
  Logo quando amanheceu,saímos e fomos em busca de pistas. Começamos por onde achamos o celular dela,um pouco mais pra frente,achamos um pedaço de tecido roxo enroscado em alguns espinhos,foi aí que todos nós ficamos mais aflitos. Torcia para que ela tivesse conseguido fugir,então resolvemos explorar o lado mais pantanoso da floresta.Andamos bastante,e logo avistei alguém caído no chão,fomos correndo,mas a lama nos impedia de andar tão rápido.Quando finalmente chegamos,lá estava ela sua roupa estava rasgada,toda suja de lama e em seu rosto pálido,arranhões.Estava totalmente desesperado,assim como todos,mas não desisti,peguei ela no colo e voltamos pra caverna.Deitei ela no chão,chamei,chamei,tentamos de tudo e ela não acordava.Mesmo abalada,Velma notou que na sua roupa havia um fio de cabelo ruivo,curto demais para ser da Daphne.Poderia não saber quem estava por trás de tudo aquilo no momento,mas tinha certeza de uma coisa quem quer que fosse ia pagar.E então,olhos azul-elétricos abriram-se confusos e interrogatórios.

POV - Daphne


 Em um momento,estava com meus amigos numa trilha e,de repente,deitada no chão,confusa,não lembrava de nada nesse meio tempo,meus amigos estavam ao meu redor com preocupação nos seus rostos
 Sem saber de nada,perguntei o que havia acontecido,então me contaramsobre tudo fiquei meio assustada. Foi aí que me veio uma pergunta na minha cabeça:"De quem eram aqueles gritos que nos trouxeram pra cá?".Não sabiam responder,não tinham encontrado nenhum rastro dessa pessoa.Mas tínhamos certeza que era uma mulher,é claro que poderia não ser alguém realmente em perigo,mas...e se fosse? Não poderíamos arriscar!
  Não queriam que eu levantasse,disseram que devia me recuperam primeiro,mas não estava disposta a isso,tínhamos que resolver esse enigma o mais rápido possível.
  Então eu me levantei e disse:
  - Quanto mais tempo gastamos, mais perigo corre a tal pessoa e até mesmo nós
  - Ô Diabo,como poderíamos correr perigo aqui nessa caverna,tão aconchegante? - disse Salsicha - Vamos ficar aqui mesmo,de repente rola até um poker - e ele tirou um baralho dos bolsos.
  A situação é ridícula com uma brincadeira,mas temos que rir,Deus sabe o que o Salsicha guarda nos bolsos e na mente,ou talvez o diabo,como ele sempre proclama.
  - Que engraçadinho, mas Daphne tem razão,temos que nos apressar e descobrir o que está acontecendo aqui - disse a Velma
  - Sim turma,vamos nos apressar -  diz  Fred
  Fred,ele estava diferente,taciturno,talvez um pouco distante,o que será que houve com ele?
  Saímos da caverna e começamos a caminhar pela floresta,pela primeira vez posso dar uma boa olhada pelos arredores, ERA uma floresta vasta,com pinheiros,arbustos,árvores menores e um solo úmido e AH DROGA! Eu tropecei e me esparramei no chão
Odeio isso! Fred segurou meus braços e me ajudou a levantar, ele definitivamente está diferente, algo em seu olhar, será que fiz algo?
 - Dissemos que deveria ter descansado mais -  disse ele.
- Foi só um deslize,vocês sabem,isso não é uma novidade tão grande assim -eu disse amargurada.
- E como! - dizem Salsicha e Scooby brincando.
Velma lhes lançou um olhar ameaçador típico e eles rapidamente se calaram. Eu preferia que ela não tivesse feito isso,ou Fred não tivesse me ajudado,queria pensar que posso me defender sozinha.
  Nossa caminhada parecia cada vez mais inútil,não achavamos nenhuma pista,nem pegadas,objetos,nada! Mas mesmo assim n desisti,permaneci firme,pelo menos aparentemente.Quem tinha feito isso sabia exatamente o que estava fazendo,conseguiu deixar nenhum rastro pelo caminho.Passamos por uma pequena poça d’água e vejo meu reflexo. Caramba! Como pude ficar assim? Estou pálida,suja e assanhada,nem meu lenço escapou. Estou uma tragédia,a turma jamais deveria me ver assim!.
Mas o que eu poderia fazer? Alisei minhas roupas e arrumei um pouco meu cabelo,daria tudo por um pente,e para ''melhorar'' tudo lembrei que perdi minha bolsa,argh! A turma percebe que fiquei para trás e me olham com olhares inquisitórios.
  - Você decidiu ser a próxima dama do lago,Daph? - perguntou Salsicha.
  - É uma poça d'água,seu idiota - disse Velma.
  - Cruzes! Acho que o grau de alguém aqui está mais avançado.
  - Chega! Vamos Daphne,como você disse,tínhamos que nos apressar - disse Fred.
  Ai droga! O que houve com ele?
 Nós prosseguimos,mas de repente Salsicha e Scooby se assustam com algo,Scooby rapidamente pula para o colo de Salsicha,eu não tenho tempo de ver nada direito,mas sei que no instante seguinte Velma e Fred estão rindo e quando eu vejo rio também.
  - Vocês fizeram toda essa confusão por um esquilo rapazes? - eu digo.
  - Você não sabe o quanto assustadora uma sobra atrás de um arbusto pode ser - diz Salsicha.          
  - É,não sabe - diz Scooby.
  - Ei! O que é aquilo brilhante atrás do arbusto? - pergunta Fred.
  Eu noto que há realmente um brilho fraco vindo detrás do arbusto.
  - Vamos ver,pode ser importante - diz Velma
  - Não! - dizem Salsicha e Scooby em coro
  Mas nós já nos precipitamos,para nossa sorte é uma pedra,mas ei,não é uma pedra comum,é de um tom verde brilhante.
 - Velma,tem certeza de que é seguro tocar nisso?- digo quando Velma se agacha para apanhar o objeto - Pode ser radioativo.
Fico aliviada quando Velma responde:
 - Não se preocupe,Daphne,as chances de encontrarmos algo radioativo na área de Vila Legal é quase impossível,principalmente nessa floresta.
  Então Velma decidiu guardar com cuidado aquela pedra,pois poderia ser uma pista e era isso que precisávamos!Mas quando ela puxou a pedra,notou que havia alguns micro-fios ligando a pedra com uma àrvore próxima.Foi muito estranho,pra quê seria aquilo?
  Aí,ouvimos os mesmos gritos e fomos correndo na direção em que parecia que eles  vinham.De longe,avistamos um corpo no chão,não reconhecemos quem era,mas a medida  que fomos nos aproximando,mais nítido ficava e quando chegamos bem perto notamos que era...
JÉSSICA?
  Fred e Salsicha a ajudam a levantar,e eu reprimo uma raiva súbita. Quando levanta,ela abraça Fred,estava machucada e suja também,mas ainda assim não podia evitar o desejo que sentia para que algo ''acidentalmente'' caísse do céu em cima dela,ela olha para o resto da turma,está apavorada.

  - Graças a Deus que vocês estão aqui! - ela diz e começa a chorar.

PARTE 2 AQUI
Compartilhar no Google Plus
    Blogger Comment

2 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial